5 mantras que fizeram de 2017 o melhor ano da minha vida (até agora)

O ano de 2017 foi repleto de surpresas, conquistas, novidades, mudanças, desconforto, felicidade, completude, paz e boas energias. Compartilho abaixo, alguns dos momentos que marcaram meu ano:

Vivenciei 6 culturas (Brasileira, Portuguesa, Espanhola, Marroquina, Americana e Canadense) com 5 idiomas diferentes (Português, Espanhol, Árabe, Inglês e Francês) em 4 continentes (América do Sul, América do Norte, Europa e África).

Me formei (2 vezes); ganhei os títulos de Bacharela em Direito e Bacharela em Sistemas de Informação; fui inscrita na Ordem de Advogados do Brasil;  finalizei um curso de Inteligência Artificial pela Exosphere Academy; criei uma startup; desenvolvi novos projetos na área de legaltech; publiquei artigos; entrevistei e dei entrevista; palestrei e ouvi; conversei e conheci pessoas incríveis; escutei de perto palavras sábias de pessoas como Michelle Obama, Ginni Rometty e Curtis Carlson; andei em um carro autônomo; visitei empresas como Nvidia, B8ta, Docusign, Audi, Totvs, Google, Facebook, Youse e Bootup; circulei pela Singularity University dentro da Nasa Research Park, por Stanford e D.school.

Solidifiquei minhas bases em todos os pontos da roda da vida; descobri minha vocação e o caminho profissional que quero trilhar; entendi que de fato quando você faz o que gosta, férias e trabalho não se distinguem mais, você vive esse mix todos os dias.

Viajei, velejei, trilhei, nadei, surfei (tentei), caminhei (muito), experimentei, vivi, aprendi, conheci e fui muito feliz.

Esses são apenas alguns dos marcos importantes que aconteceram no meu ano de 2017. Claro que as conquistas e experiências maravilhosas são resultados de muito suor, anos de estudo e “hardwork“.

Contudo, algumas dessas conquistas não teriam acontecido, ou até mesmo não teriam sido tão bem aproveitadas sem os meus 5 mantras, os quais fizeram de 2017 o melhor ano da minha vida:

1. Viver o Presente do Presente no Presente

Seguindo com o título autoexplicativo, o presente se torna de fato a maior dádiva que temos a partir do momento que conseguimos vivê-lo de forma completa, com atenção plena (mindfulness).

Esse estado mental denominado mindfulness evidencia-se quando conseguimos, por exemplo, estar presente de corpo e alma, com pensamentos e emoções, viver e sentir cada momento, escutar cada palavra, observar o ambiente ao nosso redor e as pessoas que lhe circundam no presente, sem deixar-se envolver com preocupações passadas, ou ansiedades para situações futuras.  

Ainda que óbvio e até mesmo clichê, viver o presente com atenção plena (mindfulness) é uma tarefa difícil. Entretanto, a boa notícia é que podemos desenvolver nossa capacidade de mindfulness, por exemplo, por meio de meditação, ou exercícios físicos.

Uma das formas que utilizo para evoluir e compreender como atingir meu estado de atenção plena é velejando.

IMG_5284

Quando aprendi a velejar em 2016, comecei a reparar que toda minha atenção e consciência estavam focadas no ambiente, nos movimentos necessários para manter o rumo ou não virar o barco, nos cabos, na vela, na água, na correnteza, no  vento, nas nuvens e sombras, ou seja, em todos os elementos que montavam o momento presente.

A sensação de paz e completude tomam forma no momento em que você atinge de fato esse estado pleno de atenção.

Ao entender o que é viver o momento com consciência plena, passei a replicar essa forma de ser e estar em todas situações do meu cotidiano, e é incrível como você é dominado por energias positivas.

Vale destacar aqui um exemplo de mindfulness que pratiquei ao sair com amigos e ou família: aproveitei o momento, as conversas, escutei, falei, ri, chorei, brinquei, e principalmente, deixei o celular de lado (a maior parte de mensagens e ligações podem esperar. Não deixei de viver o presente, nem interrompi conversas para resolver problemas e ou enviar mensagens que podiam aguardar o momento adequado. It can wait!)

Dos 365 dias de 2017, em apenas 15 dias falhei ao viver o presente com mindfulness, e posso afirmar que foram os únicos dias que não me vi contente.

Ressalto que no primeiro ano que tentei viver todos os dias em estado pleno de atenção, obtive 96% de sucesso nesta meta, o que mostra que valeu a tentativa!

Apesar da tarefa difícil, este foi o principal mantra que tornou 2017 o melhor ano da minha vida, e certamente, persistirá em 2018!

2. Problemas Futuros são Problemas Futuros

Quando você passa a viver o momento presente (mantra 1), você passa a entender também que problemas futuros são problemas futuros.

Meus problemas futuros, eu divido em duas classes: reais e hipotéticos.

O máximo que me preocupo com um problema futuro real é em relação ao agendamento de quando resolverei tal problema, momento em que o problema futuro se tornará então um problema presente. Por exemplo:

  • Data presente: 10/01  
  • Problema Futuro Real: Prova de Cálculo dia 30/03
  • Quantidade de horas/dias necessários para resolver:  2 dias para estudar
  • Data que o problema se tornará presente: 28/03

O máximo de tempo que o problema futuro real acima me consumiria em um primeiro momento seria de 2 minutos, referente ao tempo necessário para me organizar, decidir quanto tempo preciso para resolvê-lo, e agendar a data que ele se tornará um problema presente.

Assim, até o dia 28/03 o problema “Prova de Cálculo dia 30/03” não consumirá mais meu tempo, nem ganhará espaço na minha mente, pois provocaria ansiedade e aflição, bem como desperdiçaria meu tempo e minha oportunidade de viver momentos presentes.

É natural que outras pessoas venham comentar sobre o problema futuro com você (Ex: já estudou pra prova de cálculo?, viu a quantidade de matéria que temos que estudar?…), e que o primeiro sentimento seja de ansiedade pelo fato de outras pessoas já estarem pensando ou até mesmo se organizando para resolução do problema de forma diferente.

Entretanto, em razão do mantra 1 e 2, consigo compreender que este ainda é um problema futuro para mim, e assim, não me deixo influenciar ou ficar ansiosa pela organização de tempo diferente da minha por diferentes pessoas. Afinal, problemas futuros são problemas futuros.

Já o problema futuro hipotético, é aquele que talvez, em um dia muito remoto, possa acontecer…

Minha forma de resolução destes problemas é a seguinte: um problema futuro hipotético é um problema inexistente, logo não deve ocupar espaço no seu momento presente e nem influenciar nas tomadas de decisão.

Por exemplo:  “um dia podem me demitir, então nunca vou pedir aumento salarial.”

Neste exemplo, a existência da possibilidade de um dia ocorrer demissão, é um problema futuro hipotético, uma vez que pode nunca acontecer. Dessa forma, não se pode basear a decisão de pedir ou não aumento com base em um problema que sequer é real.

Não limite-se por problemas que não existem! 🙂

3. Obedeça sua Vontade Legítima ao Máximo

Em 2017 tentei algo diferente, tentei fazer apenas o que eu realmente estava a fim de fazer. Parece óbvio, não é?

Mas agora lhe pergunto: quantas vezes você ou algum conhecido já deixou de fazer o que realmente desejava para participar de algum outro compromisso que “não podia faltar” ou que “deveria  ir”?

Por diversas vezes na rotina corrida de faculdade <> trabalho <> faculdade, eu precisava dormir mais horas, ou descansar, por exemplo, e eu não seguia minha vontade real/legítima, e até mesmo necessidade, em razão de compromissos “obrigatórios”.

Claro que ter finalizado as faculdades e ter iniciado a trabalhar de forma autônoma ampliaram minhas possibilidades de praticar este mantra ao máximo no ano de 2017.Mas mesmo assim, colocar minha vontade legítima em primeiro lugar não foi fácil.

Apenas consegui executar esse mantra realmente, após ter compreendido que a dificuldade para praticá-lo pairava em 3 pontos:

Dificuldade em dizer não: Saber dizer não para compromissos que não estão alinhados com a vontade legítima é essencial. O tempo é limitado, e não dá pra multiplicar (por mais que eu queira), o que o torna extremamente precioso. Eventos, palestras, reuniões, encontros dos mais diversos tipos, enfim, compromissos vão surgir toda hora, e dizer sim para todos é sinônimo de esgotamento, tanto do precioso tempo, como da preciosa saúde.

Dizer sim para todos compromissos “obrigatórios” ainda fazem com que o mantra 1 não seja cumprido, uma vez que você está presente de corpo em um compromisso, enquanto sua mente está focada na vontade legítima que poderia ter sido concretizada.

Não há problema em dizer não para compromissos que não maximizem sua vontade legítima.

Fica a provocação: no último final de ano, em quantos compromissos você compareceu quando a vontade legítima era curtir o primeiro dia de sol na praia?

Vontade legítima parece irrelevante em relação ao compromisso: muitas vezes a vontade legítima é simples, simples até demais, o que a faz parecer até mesmo irrelevante quando surgem compromissos mais sérios ou “obrigatórios”.

Falar para mim mesmo e para outros, que não iria comparecer à um compromisso, pois gostaria de ficar em casa e descansar parecia algo errado, insignificante e até mesmo ofensivo.

Mas eis que… em 2017 entendi que nada é mais divertido e saudável do que seguir a vontade legítima, e que não há problema em dizer: “Não vou, porque hoje quero assistir uma série inteira no Netflix” (inclusive, aceito sugestões! hehe).

Compromissos agendados com muita antecedência: cancelar compromissos é uma atitude que não gosto, tanto quando sou a pessoa que teve que cancelar ou a que levou bolo, ainda mais, se tal cancelamento é em cima da hora. (Terrible)

Para evitar que isso aconteça, uma das práticas de 2017 para que eu pudesse obedecer minhas vontades legítimas sem dar bolo, foi não agendar compromissos com muita antecedência.

Agendei qualquer atividade (com exceção das viagens) com uma semana de antecedência apenas, para garantir que no dia do compromisso, este ainda estaria alinhado com minha vontade legítima.

Obrigada 2017 por tantas vontades legítimas concretizadas. Ter dito não à compromissos não me impediram de chegar nos resultados que almejei para 2017, apenas me impulsionaram e deram mais energia para chegar aonde queria de forma mais rápida.

4. Arte de Pedir

Em agosto de 2017, conheci Andy Ellwood no curso de Inteligência Artificial que realizei na Exosphere Academy. Andy é graduado pela Texas A & M University, empreendedor, co-founder e presidente da Basket, e consultor de empreendedorismo de grandes companhias como Absolut, BMW, American Airlines e Silicon Valley da HBO.

Andy Ellwood chamou minha atenção durante suas palestras, principalmente, no momento que contou um pouco sobre sua carreira, a qual iniciou com a oportunidade de vender seguro de vida, e após algum tempo já estava vendendo jatos particulares para Warren Buffett.

Após suas palestras, Andy disponibilizou algumas horas para que interessados pudessem trocar ideia com ele por 15 minutos. Interessada em compreender um pouco mais sobre a grande habilidade de vendas de Andy, agendei minha vez.

Durante a conversa, Andy me perguntou como poderia me ajudar, e comentei sobre minha dificuldade na fase de “fechamento de vendas”, ou seja, o momento em que você tem que pedir algo, seja vender uma coisa simples ou até mesmo pedir um aumento salarial.

E foi aí que Andy me deu um desafio, pedir algo todos os dias, iniciando  naquele mesmo dia. Eu tinha cerca de 6 horas para pedir algo a alguém, qualquer coisa, com qualquer valor.

Faltando duas horas pra finalizar o dia, quando fui pagar a conta em um determinado restaurante, havia um pote de doces para sobremesas no balcão.

Pedi para o homem que estava no caixa, se ele podia me dar o docinho. Não compreendendo, o homem me comunicou o valor do docinho: R$3,00.

Respondi comunicando-o que eu sabia o valor, mas que eu gostaria de ganhar o docinho.

E o homem respondeu: “Pode escolher!”

Captura de Tela 2018-01-08 às 20.07.46

Neste momento, fiquei incrédula, pois o desafio era apenas que eu pedisse algo, mesmo que recebesse um não, o qual era aguardado para uma primeira tentativa. E eis que no primeiro pedido, já havia conseguido um sim.

No dia seguinte, entreguei o docinho ao Andy, e agradeci pelo grande aprendizado, que acabou virando um mantra para mim: a arte de pedir.

A partir de então passei a ter o hábito de pedir frequentemente, e reforcei a minha mentalidade de que o “não” eu já tenho. Peço tanto por “coisas” simples como por “coisas” complexas, desde pedir um docinho, ou ajuda para alcançar um objetivo por meio de um ensinamento, uma palavra sábia, investimentos para projetos, um contato, uma conversa de 5 minutos, ou até mesmo por uma selfie com grandes nomes.

Peça e é capaz que você receba (Ask and you shall receive)!

IMG_8663 2
Ginni Rometti – CEO da IBM
IMG_8689 2
Marc Benioff – CEO da Salesforce

Claro que eventualmente recebi alguns nãos, sendo estes menos de 5% dos pedidos que realizei, como por exemplo, a tentativa de uma selfie com a Michelle Obama.

Eu e Eliza Abreu, uma grande amiga, ao final da palestra da ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, percebemos que uma fila especial estava sendo organizada em um pequeno canto do ambiente em que o evento ocorria. Após um tempo analisando a situação, percebemos que era uma fila de convidados para falar com a Michelle Obama, então ali permanecemos por 40 minutos. Ao chegar a nossa vez e pedir pela oportunidade de encontrar com a maravilhosa ex-primeira-dama dos Estados Unidos, fomos informadas de que todos que ali estavam deviam ser pré-aprovados pela CIA, a qual fazia a segurança do evento, e que assim, devíamos nos retirar. O importante é tentar, não é? (continua na lista de desafios! hehe)

É incrível como você consegue chegar de forma mais rápida nos resultados que deseja simplesmente pedindo. Acredite!

5. Peer Group Melhor que Você

Peer Group pode ser conceituado como um grupo de pessoas, que se conectam por apresentarem interesses em comum ou similares, que é propenso à influenciar as crenças e comportamentos dos próprios membros do grupo.

Geralmente o peer group é formando por pessoas com semelhança de idade, condição social e ou vinculadas por mesmos antecessores.

Ressalto que o meu peer group é formado por pessoas que possuem valores e objetivos de vida semelhantes aos meus.

No conceito de peer group pode-se perceber o enorme poder que as pessoas pertencentes ao seu grupo possuem: o poder de moldar e desenvolver suas crenças e comportamentos.

E por essa razão, é imprescindível que as pessoas que pertençam ao seu “grupo mais próximo” sejam pessoas que você admira, respeita e que sejam capazes de guiarem o seu próprio desenvolvimento para você alcançar os resultados que deseja.

Sou muito feliz por poder afirmar que em 2017 o meu peer group foi constituído por pessoas melhores do que eu, pessoas que sempre buscam a sua melhor versão, gostam de mudar, de inovar, de encarar desafios, achar solução para qualquer problema, que fazem limonada dos limões e que conseguem aproveitar o melhor do momento presente.

Uma das ações que pratico para encontrar pessoas que possam vir a compor meu peer group é frequentar ambientes, eventos e ou me colocar em situações que aumentem as possibilidades de conhecer pessoas incríveis, de diferentes idades, origens, condições sociais, que sejam admiráveis e que possam me ensinar algo, aumentando minhas possibilidades de desenvolvimento.

 

Viver o presente, obedecendo a vontade legítima ao máximo, pedindo pelas coisas que almejo, sabendo que problemas futuros são problemas futuros e estando cercada de pessoas incríveis e que eu admiro, foram os mantras que deram base para o meu 2017.

Talvez não sejam verdade para 100% dos casos, talvez não se apliquem para todas e quaisquer situações, mas estes foram os 5 mantras que fizeram de 2017 o melhor ano da minha vida, e que com certeza continuarão me guiando em 2018.  

 

5 Thoughts

  1. Caraca Chay sábias palavras, que chuva de conhecimento e descobertas, que você trilhe seu caminho lindamente, juro que nao sou de ler textos extensos😁, mas fiquei compenetrada logo na primeira expressão sua. Sucesso garota você vai longe. Futuro lindo pela frente😙

    Curtido por 1 pessoa

  2. Que foda Chay! Obrigado por compartilhar! Seus mantras são maravilhosos e dar exemplos de como você os coloca em prática na sua vida ajuda a inspirar ainda mais quem sabe que essas ações podem fazer a diferença, mas tem dificuldade de adotá-las na vida cotidiana. Que você tenha muito sucesso em 2018!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s